terça-feira, 23 de abril de 2024
publicidade publicidade

Para Lula, Conselho de Segurança da ONU promove a guerra

Presidente lembra que boa parte dos recentes conflitos internacionais tem a participação de alguma nação que integra o grupo permanentemente (EUA, China, Rússia, França e Reino Unido). E propõe uma ampliação que represente o reequilíbrio de forças

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou duramente, ontem, em Luanda, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) — do qual o Brasil postula fazer parte como membro permanente. Para ele, o organismo é um fator de insegurança mundial por causa da política externa de seus próprios integrantes. Conforme avaliou, aquele que “deveria ser a segurança da paz e da tranquilidade, é o que faz a guerra sem conversar com ninguém”.

“A Rússia vai para a Ucrânia sem discutir no Conselho de Segurança. Os Estados Unidos vão para o Iraque sem discutir no Conselho de Segurança. A França e a Inglaterra (na verdade o Reino Unido) vão invadir a Líbia sem passar pelo Conselho de Segurança. Ou seja, quem faz a guerra, quem produz arma, quem vende armas são os países do Conselho de Segurança. Está errado”, afirmou.

Para Lula, o Conselho de Segurança da ONU não representa a diversidade de forças geopolíticas existentes atualmente. “Estou há mais de 15 anos brigando pela participação no Conselho de Segurança. Agora, vou falar com o meu amigo (Joe) Biden: ‘Você pode tratar de começar a defender o Brasil’. Os Estados Unidos nunca disseram ‘não’ perto de mim, mas também não disseram que ‘sim’. Eles não querem que a gente entre, mas acho que vão mudar. A gente vai brigar com eles para entrar”, garantiu. Lula e Biden se encontrarão em Nova York, em setembro, na cerimônia de abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Dívida impagável

Em entrevista coletiva na capital angolana, o presidente propôs, também, que a dívida dos países africanos com o Fundo Monetário Internacional seja revisada. Para ele, isso poderia ser feito anulando-se o valor a ser pago — algo que, como disse, considera improvável —, estendendo o prazo de ressarcimento ao FMI ou investindo o montante em obras de infraestrutura para o desenvolvimento dessas nações. Lula lembrou que a África, como um todo, deve US$ 760 bilhões ao fundo.

“Essa dívida vai ficando impagável porque o dinheiro do orçamento nunca dá para pagar, e o problema vai sempre aumentando. Qual é a lógica? É tentar sensibilizar as pessoas que são donas dessas dívidas para que sejam transformadas em apoio à infraestrutura. O dinheiro da dívida, ao invés de ser pago, seria investido em obras de infraestrutura”, sugeriu.

Lula aproveitou o contato com os jornalistas para anunciar que solicitou ao Ministério das Relações Exteriores (MRE) que estude a possibilidade de abertura de um consulado-geral em Luanda — o primeiro aberto em um país africano de língua portuguesa. O órgão cuidaria de questões relacionadas a repatriações, hospitalizações e prisões de brasileiros em território estrangeiro, além de emitir passaportes, documentos de viagens e vistos a estrangeiros.

“Com aproximadamente 30 mil brasileiros, Angola abriga nossa maior comunidade em todo o continente africano. Por isso, instrui o chanceler Mauro Vieira a estudar a abertura de um consulado-geral”, anunciou.

Por Victor Correia do Correio Braziliense

Foto: Reprodução/Canal Gov / Reprodução Correio Braziliense

Posts relacionados