terça-feira, 18 de junho de 2024
publicidade publicidade

Lacen-DF cria cepoteca para controle interno ‌

Para criar o espaço, o laboratório central investiu na aquisição de novos equipamentos e insumos, como freezers e um sistema de refrigeração

As superbactérias, ou bactérias resistentes a múltiplos antibióticos, representam um grande problema de saúde global. Diante disso, o Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen-DF) criou uma cepoteca, ou seja, um local onde possam ser mantidas as cepas-padrão desse tipo de microrganismos.

‌Trata-se de um projeto de pesquisa cujo objetivo é viabilizar a implementação do controle de qualidade interno de antibiogramas para auxiliar na validação da metodologia utilizada, garantindo a melhoria da qualidade para auxiliar na escolha dos antibióticos pelos médicos. O projeto foi desenvolvido por uma equipe de servidores da Gerência de Suporte Laboratorial do Lacen em 2022 e passou a ser implementado no início de 2023.

‌Para criar o novo espaço, o laboratório central investiu na aquisição de novos equipamentos e insumos, como freezers e um sistema de refrigeração para o ambiente, além das cepas-padrão das bactérias. O projeto de pesquisa é financiado pela Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências de Saúde (Fepecs).

O Lacen já possui equipamentos de última geração e experiência com a utilização de cepas de referência na realização de controle de qualidade dos produtos fabricados pela Gerência de Suporte Laboratorial. “Contudo, na incansável busca de melhorias aos trabalhos ofertados à população do Distrito Federal, continuamos investindo na qualidade de seu parque analítico, realizando novas aquisições”, pontua a diretora do Lacen, Grasiela Araújo da Silva.

‌Metodologia única

Um diagnóstico laboratorial efetivo se baseia, entre outros pontos, na identificação precisa de uma bactéria e, principalmente, na realização do Teste de Sensibilidade a Antimicrobianos (TSA), também conhecido como antibiograma. Portanto, é preciso rigor ao fazer o TSA e padronizar os métodos executados.

‌Para que todos os procedimentos relacionados ao TSA sejam executados e interpretados corretamente deve existir, na rotina do laboratório de microbiologia, um controle de qualidade do teste que envolva cepas-padrão de procedência reconhecida.

Segundo o gerente de Suporte Laboratorial (GESL/Lacen), Heverson Soares de Brito, a cepoteca serve justamente para centralizar a manutenção de cepas-padrão viáveis. “A ideia é distribuir a metodologia resultante do projeto a outros laboratórios da rede pública. O intuito é que esse controle empregado no TSA ocorra semanalmente em cada unidade.”

Ao permitir essa distribuição, o projeto contribui para garantir a confiabilidade de resultados mais assertivos na rede e a prescrição de medicamentos mais adequados.

‌O que são as superbactérias?

Superbactérias são micro-organismos bacterianos que desenvolveram a capacidade de resistir aos efeitos dos antibióticos tradicionais. Isso ocorre devido à sua exposição repetida e inadequada a esses medicamentos, permitindo que elas evoluam e desenvolvam mecanismos de resistência.

A relutância aos antibióticos é uma preocupação séria na área da saúde, uma vez que torna as infecções bacterianas mais difíceis de tratar e pode levar a complicações graves ou, em casos mais extremos, fatais. As superbactérias podem ser resistentes a um ou a vários tipos de antibióticos, o que limita as opções de tratamento disponíveis.

‌Para combater o problema das superbactérias, é essencial adotar práticas de uso responsável de antibióticos, desenvolver novos medicamentos e terapias alternativas, bem como melhorar a higiene e a vigilância para evitar a disseminação de micro-organismos resistentes.

Por Redação do Jornal de Brasília

Foto: Reprodução Jornal de Brasília

Posts relacionados