terça-feira, 16 de abril de 2024
publicidade publicidade

Estudo ambiental do GDF é apresentado em conferência internacional

Trabalho científico de servidora foi aprovado no Chile durante a 4ª Conferência Regional América Latina & Caribe

Em La Serena, no Chile, a técnica de Planejamento Urbano e Infraestrutura do Instituto Brasília Ambiental Ana Paula Camelo participou, recentemente, da 4ª Conferência Regional América Latina & Caribe, promovida pela Ecosystem Services Partnership. 

Desenvolvido em parceria com Instituto Federal de Brasília (IFB), o trabalho Análise da influência da distância às unidades de conservação no Distrito Federal foi aprovado pelos organizadores do evento para apresentação na sessão Projeções e desafios futuros da valoração socioeconômica dos serviços ecossistêmicos culturais na América Latina.

“A troca de experiências é fundamental para que possamos criar soluções para os entraves encontrados ao redor do planeta; e, como a nossa realidade de ter unidades de conservação de diversos tamanhos, com diferentes funções, serviços ecossistêmicos variados e, mais importante, o mosaico e configuração delas junto às cidades, o Distrito Federal pode ser tornar um exemplo mundial de estratégias de desenvolvimento sustentável e atingir mais facilmente as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas para 2030”, avalia Ana Paula Camelo.

Recursos naturais

A técnica do Brasília Ambiental lembra que o bem-estar populacional e econômico depende da disponibilidade de recursos naturais. “E é fundamental para o Brasília Ambiental, enquanto órgão executor das políticas de meio ambiente, ter e saber a quantidade desse capital natural pelo qual é responsável”, afirma.

“Com base nisso, foi apresentado um estudo de caso inicial sobre a atribuição de valor aos imóveis na região administrativa de Águas Claras com base no baixo índice de área verde por habitante e a predominância de prédios residenciais”, conta ela.

No estudo, ela observou que os imóveis maiores e mais caros estão localizados a menos de 200 metros do Parque Ecológico Águas Claras – condição associada, principalmente, aos serviços ecossistêmicos estéticos providos pela unidade de conservação.
Ao mesmo tempo, os imóveis menores e mais baratos estão mais distantes, podendo indicar o início do processo de gentrificação verde (exclusão social pautada na mercantilização de espaços com infraestrutura ambientalmente amigável, também chamada de infraestrutura verde).

Troca de experiências

“Com isso, tem-se a informação do valor estético exercido pelo parque ecológico e, ao mesmo tempo, a responsabilidade de se evitar esse fenômeno, aumentando o número de áreas verdes por habitantes na região e promovendo o direito ao meio ambiente”, conclui a servidora do Brasília Ambiental.

O encontro teve como objetivo fornecer uma plataforma para que profissionais, pesquisadores e entusiastas do campo dos serviços ecossistêmicos se reúnam e troquem percepções, discutam tendências emergentes e colaborem em soluções, fortalecendo os esforços da comunidade em direção ao desenvolvimento sustentável.

*Com informações do Brasília Ambiental

Por Agência Brasília

Foto: Divulgação/Brasília Ambiental / Reprodução Agência Brasília

Posts relacionados