domingo, 19 de maio de 2024
publicidade publicidade

Atendimento online em Libras do GDF já atendeu mais de 4 mil pessoas

Lançado em dezembro de 2023, ‌DF Libras Cil Online foi desenvolvido para garantir autonomia e dignidade de pessoas com deficiência auditiva

Promover autonomia e dignidade a pessoas não oralizadas, sejam surdas ou com outra deficiência, é o principal objetivo do DF Libras Cil Online. Lançada em dezembro de 2023 pela Secretaria da Pessoa com Deficiência (SEPD-DF), a plataforma oferece atendimento gratuito em Língua Brasileira de Sinais (Libras), garantindo a comunicação dos cidadãos com os órgãos públicos, de forma acessível e digital, em qualquer horário e em todos os dias da semana.

O acesso à ferramenta é feito por meio de um QR Code, que conecta o usuário a uma videochamada com um intérprete de Libras. O código está disponível em diversos equipamentos do Governo do Distrito Federal (GDF), como unidades básicas de saúde (UBSs), unidades de pronto atendimento (UPA), Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Núcleos de Assistência Jurídica da Defensoria Pública (DPDF).

Desde o lançamento, em 6 de dezembro de 2023, até o dia 4 de abril, o programa totalizou quase 90 horas de uso e chegou a 4.526 acessos. No período, que contabiliza quatro meses, foram registradas 37 ligações diárias em média. Os maiores usuários do programa são os próprios cidadãos, seguidos por servidores da Defensoria Pública do DF e das secretarias de Saúde, Desenvolvimento Social e Segurança Pública. A central de atendimento, que fica em São Paulo e foi contratada pelo GDF, funciona ininterruptamente, 24 horas por dia, e dispõe de 80 intérpretes de Libras.

O secretário da Pessoa com Deficiência, Flávio Pereira dos Santos, afirma que a meta é que o QR Code do DF Libras esteja disponível em todos os equipamentos públicos do DF, de modo a difundir os benefícios da plataforma para a população surda. “Encontrar pessoas que se comuniquem em Libras não é uma tarefa fácil para o deficiente auditivo. Então, facilitar o acesso a um intérprete é essencial para a promoção dos direitos da pessoa surda, seja para contar um problema de saúde para um médico, para solicitar um benefício social ou, ainda, para relatar uma ocorrência à polícia”, finalizou.

A política pública de acessibilidade comunicacional foi desenvolvida em parceria com a Secretaria de Ciência e Tecnologia (Secti-DF), demonstrando o esforço conjunto dos órgãos de governo em prol da população. “A criação desta plataforma atende a uma demanda há muito tempo latente no segmento, fornecendo as condições necessárias para que os deficientes possam acessar serviços públicos essenciais e desfrutar de seus direitos fundamentais, como saúde, educação e segurança”, afirma o titular da pasta, Leonardo Reisman.

Como funciona

Para acessar o DF Libras, é preciso ter um celular com internet em mãos. Com a câmera do aparelho, leia o QR Code indicado nos cartazes ou adesivos do programa e selecione a opção “Iniciar videochamada”. Pronto, agora basta aguardar o atendimento. As videochamadas são feitas em tempo real, com intermediação de intérpretes de Libras, todos os dias da semana, em qualquer horário.

Ao ser atendido, o surdo deve se comunicar normalmente, de preferência com o celular na posição horizontal. O atendente vai traduzir a mensagem em Libras para o ouvinte, de forma com que os dois – surdo e ouvinte – consigam se entender da melhor forma possível. Não há limite de tempo para a videochamada e a plataforma funciona apenas no Distrito Federal.

Outra forma de acessar o DF Libras é por meio do aplicativo ICOM, desenvolvido pela empresa contratada para disponibilização dos intérpretes. Neste caso, a pessoa precisa instalar o aplicativo e, então, acionar a plataforma. A maior vantagem do uso do DF Libras pelo aplicativo é a redução do consumo no pacote de internet, já que a videochamada pelo app não utiliza os dados móveis do aparelho telefônico. Além disso, o app oferece a conversa por texto, em que o usuário pode digitar uma mensagem para que seja traduzida pelo intérprete em libras ou dita em voz alta.

Após baixar o aplicativo, o usuário precisa inserir um código que é enviado por mensagem de texto. Depois, é preciso informar número de telefone, nome e e-mail, além de cadastrar uma senha e, se desejado, biometria. Também é necessário autorizar o rastreio da localização do aparelho. Os próximos passos são concordar com os termos de privacidade e assistir ao vídeo de como usar o app. Por fim, o usuário deve clicar no sinal de “+” para inserir minutos para ligação e acionar o botão “DF Libras”, que liga direto para a plataforma sem nenhum custo, ou clicar em ler QR Code.

O diretor da Central de Interpretação de Libras, Alexandre Castro, destaca que a ferramenta trouxe autonomia para a população surda. “Agora o surdo não precisa mais levar um parente ou amigo para seus compromissos, ou esperar para ser atendido pelo Central de Intermediação de Libras. Ele tem o intérprete na palma da mão, no celular, e pode buscar atendimento em qualquer lugar, sem depender da disponibilidade de outras pessoas”, defende.

Igualdade e agilidade

O DF Libras é utilizado pela Defensoria Pública desde o lançamento: os servidores do órgão já realizaram 161 acessos à plataforma, totalizando mais de 16 horas de ligação. Segundo a defensora pública do Núcleo dos Direitos Humanos, Amanda Fernandes, a ferramenta permite que o PcD tenha suas demandas e solicitações compreendidas de forma mais ágil e correta. A ideia é que todos os Núcleos de Assistência Jurídica estejam preparados para usar o meio de comunicação.

“Antes o surdo passava pelo setor psicossocial antes de ir para a área jurídica que realmente precisava, mesmo sem ter nenhuma vulnerabilidade social. Além disso, precisávamos ter dois intérpretes para fazer o atendimento, o que nem sempre ocorria e atrasava o processo do PcD”, conta. “Com o DF Libras, a pessoa chega aqui e, logo na entrada, as recepcionistas identificam se é uma pessoa com deficiência auditiva, mostram o QR Code e a ajudam a usar a plataforma, para que a pessoa seja encaminhada para qual setor deve ir”, completa a defensora pública.

O digitalizador Regis Martins, 40 anos, usou a plataforma para ser atendido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Nascido no DF, ele convive com a dificuldade de se comunicar com as pessoas desde os 8 anos, quando foi acometido com surdez profunda. Para ele, a criação do DF Libras demonstra preocupação em incluir, de fato, a pessoa sem audição na sociedade.

“Trouxe muita acessibilidade para nós, surdos, principalmente para que consigamos nos comunicar quando precisarmos de serviços de saúde e justiça”, comentou. “Fico feliz em saber que ferramentas assim estão sendo criadas, porque mostra que as crianças surdas do futuro terão mais facilidades, mais acesso à informação”, ressaltou Regis.

Acessibilidade

Localizada na Praça da Cidadania, na Estação 112 Sul, a Central de Interpretação em Libras (CIL) também disponibiliza atendimento para a população brasiliense. Vinculada à Secretaria da Pessoa com Deficiência, a iniciativa oferece uma equipe de intérpretes para realizar a mediação entre o serviço público e o usuário. O serviço pode ser utilizado mediante agendamento prévio ou de forma emergencial, conforme a necessidade, junto a órgãos como hospitais, fóruns, escolas públicas, bancos e delegacias.

O diretor de Acessibilidade Comunicacional da Sepd-DF, Waldimar Carvalho da Silva, afirma que seis intérpretes estão disponíveis para acompanhar o cidadão surdo em compromissos. O serviço pode ser acionado presencialmente ou por telefone, e dispõe de um carro para o transporte solicitante caso necessário. “Existem diversas situações que o surdo precisa do apoio do intérprete, como ir ao banco resolver um problema no salário ou ir a uma consulta médica. O DF Libras vem para garantir que todos os surdos tenham acesso à intermediação, é uma ferramenta muito importante”, conta.

Central de Intermediação em Libras

Funcionamento: segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e de 13h às 17h
Local: Praça do Cidadão (Estação do Metrô da 112 Sul).
Telefones: (61) 3313-5940 e (61) 99361-3668 – WhatsApp.

Por Catarina Loiola da Agência Brasília

Foto: Secretaria da Pessoa com Deficiência / Reprodução Agência Brasília

Posts relacionados