quinta-feira, 18 de abril de 2024
publicidade publicidade

Animais do Zoo de Brasília recebem cuidados especiais durante a seca

Picolé, banho de mangueira e chuva artificial são algumas das estratégias adotadas pela equipe técnica para promover bem-estar aos animais

Todo ano a seca castiga os brasilienses. Com a umidade relativa do ar variando entre 10% e 25% em dias de alerta vermelho, os cuidados com a hidratação devem ser redobrados. A recomendação se estende, principalmente, aos animais silvestres acolhidos pelo Zoológico de Brasília.

Picolé, chuva artificial e enriquecimento ambiental na água são algumas das estratégias traçadas pela equipe técnica para driblar a secura e o tempo quente com conforto e bem-estar aos animais assistidos pela instituição.

O cronograma da Gerência de Bem-Estar Animal para a última quarta-feira (9) era picolé de frutas para os babuínos-sagrados e macacos-japoneses. O babuíno Pitoco, por exemplo, mal esperou para devorar o picolé recheado de melancia, manga e goiaba e se refrescar no calor das 11h.

“A gente espera o pico de calor no dia. Então, entre 11h e 15h a gente prioriza essas atividades dentro da água, com picolés e comidas mais líquidas, como melancia e melão. A gente faz atividades também com mangueiras e banhos para refrescar”, detalhou a bióloga e gerente de Bem-Estar Animal, Marisa Carvalho.

Os picolés são adaptados para serem incluídos na dieta de cada indivíduo em períodos mais quentes. Mas, para promover bem-estar às espécies que não são nativas do Cerrado, outras intervenções são necessárias, como é o caso da chuva artificial para os animais que vivem em mata fechada e estão habituados com umidade mais elevada.

“A nossa preocupação em relação à diferença climática começa bem antes de a situação aparecer. A gente sempre busca trazer a ecologia do habitat natural daquele animal dentro do recinto onde ele vai viver. Em relação à umidade, a gente faz a chuva artificial para melhorar o bem-estar desses animais”, detalhou o biólogo da Diretoria de Mamíferos do Zoo, Mateus Sousa.

Alguns animais, como o elefante-africano e o rinoceronte-branco-do-sul, também contam com lameiros, importantes não só para refrescar em dias quentes, como para hidratar e proteger a pele contra os raios solares.

O empresário Alessandro Pereira, 47 anos, levou a filha Cecília de um aninho para conhecer o Zoológico. Ele estava ansioso pela visita. “Primeira vez dela aqui, a gente fica até ansioso por ela. As expectativas foram cumpridas, passamos em cada cantinho aqui.“

Já a Liliane Batista da Silva, de 33 anos, elogiou as medidas adotadas pela equipe para amenizar o calor. “Acho que é muito bom para conservar a saúde dos animais. É interessante ver que há esse cuidado, a gente viu o momento que estavam irrigando os recintos“, compartilhou a dona de casa.

Por Agência Brasília

Foto: Paulo H Carvalho/Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília

Posts relacionados