terça-feira, 23 de abril de 2024
publicidade publicidade

Governo prepara programa de passagens aéreas a R$ 200, diz ministro

O programa seria um pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

O governo federal pretende fechar acordo com companhias aéreas para vender passagens a R$ 200 o trecho a aposentados, estudantes e servidores públicos, afirmou o ministro Márcio França (Portos e Aeroportos). Será beneficiado apenas quem tiver salário abaixo de R$ 6.800.

Isso seria possível com a ocupação de assentos ociosos em voos de carreira, disse França em entrevista no domingo (12/03) ao Correio Braziliense. O programa seria um pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“As companhias brasileiras chegam na faixa de 30 milhões de passageiros, cada uma delas, operando com 78% a 80% de vagas ocupadas. Outras 20% saem vazias”, afirmou França ao jornal.

Conforme os cálculos do ministro, seria possível oferecer de 14 milhões a 15 milhões de passagens a R$ 200 por ano.

O plano do governo é fazer a venda dessas passagens via aplicativo da Caixa Econômica ou do Banco do Brasil. “São pessoas que já têm a renda vinculada conosco, estudantes são a exceção. Temos que encontrar um mecanismo de financiamento”, disse França na entrevista.

Cada beneficiário do programa teria direito a duas passagens anuais de ida e volta por pessoa por ano a R$ 800, no total. Isso permitiria levar um acompanhante na viagem.

Segundo França, o governo pretende oferecer parcelamento em 12 prestações sem juros.

O plano ainda depende de aceitação de companhias aéreas nacionais. O limite de renda em R$ 6.800 evitaria que os habituais clientes de voos comerciais usufruíssem do programa e comprometessem as vendas das empresas.

“É outro público, nós temos hoje 90 milhões de passageiros, mas só 10 milhões de CPFs que voam. Veja que absurdo, 90 milhões de passagens emitidas por ano, para apenas 10 milhões de pessoas”.

O desenho anunciado pelo governo tem inspiração no antigo programa destinado a idosos Melhor Viagem, da Caixa Econômica. “Conversei com a presidente da Caixa, acho que vai ser fácil. O que importa é a decisão política e as companhias aéreas têm que querer”.

Por FolhaPress via Jornal de Brasília

Foto: Reprodução Jornal de Brasília

Posts relacionados