quinta-feira, 18 de abril de 2024
publicidade publicidade

Dia Mundial de Combate à Tuberculose alerta para diagnóstico precoce

A busca de atendimento médico diante de sintomas e o tratamento feito de maneira correta podem aumentar as chances de cura em até 95% dos casos

No Dia Mundial de Combate à Tuberculose, comemorado nesta sexta-feira (24/03), a palavra de ordem é não ignorar os sintomas da doença infectocontagiosa, que ataca principalmente os pulmões, embora possa prejudicar outros órgãos do corpo. O diagnóstico precoce e o tratamento feito de maneira correta podem aumentar as chances de cura em até 95% dos casos.

“É fundamental que a população entenda que é uma doença que tem cura. Que não deve ser estigmatizada, qualquer pessoa pode adoecer, basta estar muito próxima ou conversando com alguém que esteja com a doença. Precisamos dar atenção aos sintomas. Ao identificá-los, procure atendimento de imediato nas unidades de saúde do DF”Priscilleyne Reis, diretora substituta da Vigilância Epidemiológica

De acordo com a Vigilância Epidemiológica, da Secretaria de Saúde do DF, no ano de 2022 foram registrados 336 casos de pessoas infectadas e 19 óbitos. Até o início deste mês 83 pacientes foram diagnosticados com a doença.

“É fundamental que a população entenda que é uma doença que tem cura. Que não deve ser estigmatizada, qualquer pessoa pode adoecer, basta estar muito próxima ou conversando com alguém que esteja com a doença. Precisamos dar atenção aos sintomas. Ao identificá-los, procure atendimento de imediato nas unidades de saúde do DF”, ressalta a diretora substituta da Vigilância, Priscilleyne Reis.

Os primeiros sinais e sintomas mais frequentes da doença são tosse seca ou com secreção por mais de três semanas, podendo evoluir para tosse com pus ou sangue, cansaço excessivo, febre baixa  – geralmente no período da tarde  –, suor noturno, falta de apetite, emagrecimento acentuado e até mesmo uma rouquidão.

Uma forma de prevenção à tuberculose é a vacina BCG (Bacilo de Calmette e Guérin), indicada para prevenir as formas graves de tuberculose (miliar e meníngea). Possui esquema de vacinação em dose única o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas após o nascimento, ainda na maternidade. Na rotina, a vacina é destinada a crianças na faixa etária de até 4 anos, 11 meses e 29 dias.

A transmissão do vírus é direta, de pessoa a pessoa. O doente expele, ao falar, espirrar ou tossir, pequenas gotículas de saliva que podem ser aspiradas por outro indivíduo. A recomendação é evitar estar próximo a pessoas com a doença para não desenvolver a forma ativa da tuberculose.

Os exames para diagnóstico estão disponíveis em todas as unidades básicas de saúde (UBSs). Caso o resultado seja positivo, o tratamento é feito com medicação durante seis meses, todos os dias, sem interrupção.

Pessoas que tiveram contato com o paciente também devem realizar o exame nos postos, com o objetivo de interromper a cadeia de transmissão da doença.

Capacitações

Segundo a diretora de Vigilância Epidemiológica, o GDF tem um Plano de Enfrentamento à Tuberculose, com diretrizes norteadoras para tomadas de decisões, ações de prevenção e controle da doença.

“Temos nos esforçado ano a ano para a redução dos índices e controle da doença. Essas ações passam pela capacitação dos nossos profissionais e equipes de saúde. Nossas capacitações são para evitar cada vez mais os óbitos, as subnotificações, a identificação do diagnóstico e coleta de exames. Queremos garantir o atendimento padronizado à população e sensibilizar os profissionais ao máximo no tratamento”, explica a diretora.

Por Agência Brasília

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde / Reprodução Agência Brasília

Posts relacionados